• Marcelly Chrisostimo

Aspectos a serem considerados para elaborar um protocolo de reabertura para bibliotecas escolares

Atualizado: Jul 10


Foto via Unsplash.


Não importa o quão metódica ou organizada você seja, eu tenho certeza que você não esperava que em pleno 2020 viveríamos uma quarentena forçada que pararia o mundo por causa de um vírus. Não sei você, mas nos primeiros dias, eu me senti em um dos livros de ficção distópica que eu amo ler ou até mesmo em um episódio de Black Mirror.


E falando no mundo literário, eu pagaria o que fosse para ter uma penseira como a de Dumbledore para visualizar algumas coisas que estão emboladas na minha mente. Escrever tem me ajudado nesse processo e receber o feedback de vocês sobre como meu conteúdo os ajuda chega a ser engraçado porque eu sinto que me ajuda muito mais do que a vocês. E como se ao estruturar o que penso em um texto, eu conseguisse organizar minhas ideias eme expressar melhor. E se eu puder compartilhar com outras pessoas e auxiliá-las nesse processo, por que não?


Para quem acompanha notícias internacionais, já deve ter lido sobre países em que as autoridades estão estabelecendo fases de afrouxamento da quarentena. E isso inclui planos para reabertura de escolas e bibliotecas. Por mais distante da realidade brasileira que isso pareça, precisamos estruturar o planejamento para os protocolos para reabertura. Quanto antes começarmos nossas pesquisas sobre o assunto, mais material de referência encontraremos e mais tempo para refletir sobre e ajustar conforme a necessidade teremos.


Importante ressaltar que se a biblioteca escolar está vinculada a uma instituição, é necessário seguir os protocolos e recomendações oficiais dessa instituição.


Ainda não temos algo oficial do governo federal estabelecendo quais serão as fases para saída da quarentena. Mas, é possível usar esses documentos de outros países para ter uma ideia do que nos aguarda. Para acessar as diretrizes publicadas pelo governo americano, Opening Up America Again, clique aqui.


Não pretendo aqui oferecer um protocolo modelo a ser adotado. Minha intenção é compartilhar alguns dos aspectos que tenho levado em consideração no que tange a minha realidade. Vale mencionar que a Comissão Brasileira de Bibliotecas Universitárias, a CBBU, divulgou um documento com recomendações para a reabertura de bibliotecas pós pandemia.


Encorajo que você envolva toda a equipe da sua biblioteca nesse processo. Como gestor, você precisa estar aberto as contribuições de quem executará o plano com você. O melhor planejamento não é aquele livre de erros, mas, sim o que funciona, o que conseguimos colocar em prática. E o primeiro passo para conseguir é que seja um plano coletivo.


EQUIPE

Absolutamente tudo começa com a sua equipe. Considere aqui se houve cortes de pessoal, uma vez que algumas escolas suspenderam contratos temporariamente. Há alguém na sua equipe que faça parte do grupo de risco? Seja honesto, flexível e realista com as demandas de cada membro da sua equipe. E se possível, permita a possibilidade de home office para parte da equipe, talvez em sistema de escala. O importante é que todos se sintam acolhidos e valorizados.


COMUNICAÇÃO

A comunicação se inicia em definir uma mensagem. Qual será a mensagem que você irá compartilhar? Dedique-se a estabelecer um tempo para definir claramente o que mudou, o que permanece igual, quais serão os novos procedimentos... Essa mensagem precisa ser unificada para toda a equipe e consistente. Registre, simplifique. Menos é mais. Não sobrecarregue seus usuários e equipe com muitas regras e informações. Foque em etapas. Para que comunicar os procedimentos da Fase 3, se as pessoas ainda não entenderam os da Fase 1? Compartilhe a informação que o seu usuário precisa naquele momento com consistência e clareza para não causar desinformação.


DIVULGAÇÃO

Quase tão importante quanto saber o que dizer é saber COMO dizer. Quais são os seus canais de comunicação com a sua comunidade? Email? Sua instituição autoriza a criação de conta em alguma rede social? Site? Blog? Repense os meios que você utilizava antes, avalie se os que usou durante a quarentena foram eficazes e invista na sua comunicação. Divulgue a mesmíssima mensagem em todos os canais possíveis. Peça para a direção e professores que a reforcem. Sabe aquela mãe super próxima e que está sempre por dentro de tudo que acontece na biblioteca? Conte com ela também para fazer a ponte com os pais que você ainda não tem contato. Eu costumava compartilhar com uma ou duas mães algo específico e elas cuidavam do restante. Esses grupos de whatsapp de pais são muito eficazes.



EQUIPAMENTOS NECESSÁRIOS E MOBILIÁRIO

Segurança deverá ser a sua prioridade. E isso inclui você. Quais serão os materiais que você precisará para garantir a abertura? Luvas para a equipe, máscaras (para equipe e alunos), álcool em gel para higienização das mãos... Você irá verificar a temperatura dos alunos na entrada? Ou a escola manterá esse controle? Se você o fizer, você possui termômetros para isso? Levante quais materiais serão necessários para desempenhar suas atividades de forma segura e encaminhe essas necessidades para a direção da escola.

Mudanças no mobiliário e no espaço físico poderão ser necessárias. Vocês já viram aquelas proteções individuais que caixas de supermercado estão usando? Seria uma possibilidade ter algo assim no balcão de atendimento? Será necessário fazer marcações no chão? Como fará? Usará fita adesiva? De que tipo? Note que o distanciamento social precisará ser respeitado, com isso, a depender do espaço que estiver disponível, talvez seja necessário mover mobília e estantes e talvez até remover algum item para garantir que tenha espaço suficiente para circulação.

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

Considere reduzir o seu horário de funcionamento e atendimento ao público. Tenha em mente que a demanda interna de quarentena de livros e sua higienização item a item e com uma possível equipe reduzida poderá impactar no horário de atendimento. Considere estabelecer turnos para cada atividade como devoluções, empréstimos, auxílio ã pesquisa e etc. Uma boa solução é atender mediante hora marcada anteriormente através dos meios de comunicação.


USO DO ACERVO E MATERIAIS DA BIBLIOTECA

A recomendação da CBBU é a de que o acesso ao acervo seja suspenso. Sim, sabemos que isso muda tudo, principalmente numa biblioteca escolar, mas, em situações extremas, precisamos de medidas extremas. E nesse caso, e uma situação de saúde publica. Incluo essa recomendação aos materiais como computadores, tablets que possam vir a ser compartilhados. Pense que quanto mais pessoas tocarem nesses materiais nesse momento, maior o risco de contaminação.

Nesse primeiro momento, eu sugeriria também que o recebimento de doações fosse suspenso.

DEVOLUÇÕES DE EMPRÉSTIMOS

Todos os materiais devolvidos precisarão passar por uma quarentena. O tempo é o melhor remédio. A CBBU recomenda que o prazo minimo seja de 14 dias e que não seja utilizado nenhum tipo de material de limpeza. Os produtos químicos como desinfetantes, antibactericidas e afins por serem abrasivos podem por em risco a integridade dos livros, danificar suas capas e etc.

Separe uma estante, se possível, somente para essas devoluções que deverão ser recebidas por um profissional devidamente utilizando equipamentos de proteção individual. Há documentos que recomendam 7 dias, outros 14. Eu prefiro pecar pelo excesso e quarentenar os livros por 14. Lembre-se de identificar as datas para poder monitorar o tempo que os livros estarão disponíveis para sair da quarentena.


FONTES DE INFORMAÇÃO DIGITAIS

Quem tinha resistência com o uso de fontes digitais, não tem mais opção. Se algumas pessoas precisavam de um incentivo para incorporar fontes e ferramentas digitais a sua rotina, o COVID veio como uma força quase incontrolável que não deixou escolha. Invista em novas fontes de informação digital e na divulgação das que tiver disponíveis. Encoraje sua comunidade a utilizá-la e considere a possibilidade de oferecer treinamentos ou exposições sobre elas.


SERVIÇOS ADICIONAIS

A criatividade aliada à necessidade são os melhores incentivos para inovação. Sabemos que temos nos reinventado como profissionais e pessoas também. E isso pode significar inserir novos serviços ou reformular serviços anteriormente oferecidos.


Estabeleça parcerias com outros membros da sua comunidade. Na última quarta-feira, dia 20

de maio, durante o Webinar: Bibliotecas: potencializando a aprendizagem em tempos de pandemia, a Jacke da biblioteca da UNOCHAPECO compartilhou uma caixa de devoluçoes feita em parceria com o professor Walter Strobel Neto da universidade. Algumas escolas possuem makerspaces que poderiam auxiliar nessa confecção ou poderíamos nós mesmas encomendar uma ou produzir. O céu é o limite.



Esses são alguns dos aspectos que tenho estudado e considerado nesse momento. Mas, isso é só o começo. Fique a vontade para recomendar outras fontes. Vamos construir juntos.


Algumas fontes interessantes: (clique no título para abrir o link)


Biblioteca Virtual Convide-i9 da ABDF: Lista de Protocolos e Recomendações


COVID-19 and the Global Library Field - International Federation of Library Associations

Recomendações da Comissão Brasileira de Bibliotecas - CBBU para elaboração de planejamento de reabertura das bibliotecas universitárias


Orientações do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas a Bibliotecas Públicas e Comunitárias - COVID-19


Disinfecting Books and Other Collections - Northeast Document Conservation Center


COVID-19 Outbreak Associated with Air Conditioning in Restaurant, Guangzhou, China, 2020


CRB7 - Normas norteadoras para reabertura das bibliotecas e unidades de informação dentro do Estado do Rio de Janeiro frente à pandemia do Coronavírus


0 visualização

©2020 por Mocinha da Biblio. Orgulhosamente criado com Wix.com